Você está aqui: Página Inicial > Raio Ouvidorizador > Motoristas poderão relatar por telefone problemas em semáforos de Macapá

Notícias

Motoristas poderão relatar por telefone problemas em semáforos de Macapá

Serviços Públicos

“Plantão Semafórico” poderá ser acionado 24 horas e técnicos irão ao local fazer reparos. Falhas no funcionamento dos equipamentos são reclamações constantes.
por OGU publicado: 26/02/2018 17h50 última modificação: 26/02/2018 17h51

A prefeitura de Macapá disponibilizou um serviço onde os moradores da capital poderão relatar, por telefone, sobre os problemas apresentados pelos semáforos de trânsito. O “Plantão Semafórico” poderá ser acionado 24 horas e, de acordo com a Companhia de Trânsito e Transporte (CTMac), uma equipe vai ao local para fazer os reparos.

O usuário pode ligar para o número (96) 98802-1358, ao identificar qualquer problema, como lâmpadas queimadas, problemas nos sinais de tempo, entre outras falhas, que geralmente ocorrem no período chuvoso, com as oscilações na rede de energia elétrica.

“Esse sistema permitirá o controle do tempo de semáforo, monitorará situações de acidentes, avanço na faixa de pedestre e sinal vermelho, entre outras situações, tendo um efeito educativo importantíssimo para o município”, explica o diretor-presidente da CTMac, André Lima.

Falhas e problemas de funcionamento nos semáforos da capital são reclamações constantes dos macapaenses. Relatos enviados para o aplicativo Tô na Rede, da Rede Amazônica, mostram que em diversos pontos da cidade a situação foi detectada. Um exemplo é o equipamento instalado no cruzamento da rua Guanabara com Avenida Ceará, no bairro Pacoval, na Zona Norte.

“O trafego de veículos em horários de pico aqui é bastante intenso e as filas mal se movimentam porque o sinal para quem está na Avenida Ceará mal dura 10 segundos. Noto que boa parte dos sinais de nossa capital apresentam esses defeitos. Precisamos de providências urgentes, nosso trânsito esta desorganizado, ultrapassado e deficiente em tudo.”, disse um morador que não quis ser identificado.

Fonte: g1.globo.com/ap/amapa